Ensino Fundamental 6, 7 e 8 anos Falando nisso

Seu desafio é ensinar a seus alunos um conjunto de palavras capazes de ampliar seu vocabulário para falar sobre os atributos dos alimentos e realizar sessões de apreciação de alimentos com outras crianças da escola.

Qual é o desafio?

Seu desafio é ensinar a seus alunos um conjunto de palavras capazes de ampliar seu vocabulário para falar sobre os atributos dos alimentos e realizar sessões de apreciação de alimentos com outras crianças da escola.

Qual o produto final desse desafio?

Ao final deste desafio, vocês produzirão um mini-dicionário ilustrado de alimentos e seus atributos e envolverão outras turmas nas sessões de apreciação de alimentos.

Um jeito de fazer

A língua portuguesa é uma língua riquíssima em termos e palavras que podem explicar o que sentimos com uma sutileza de detalhes invejável. Para isso, entretanto, é preciso que conheçamos essas palavras!

Você deve organizar pequenas sessões gustativas de alimentos in natura ou minimamente processados (você pode consultar o Guia de Alimentação para a População Brasileira, 2ª edição, do Ministério da Saúde). As crianças devem ser convidadas a explicar o que sentem quando experimentam cada um deles, descrevendo o sabor, a textura, a aparência, o cheiro e até o barulhinho que o alimento produz quando mastigado ou mordido.

Você já deve ter notado que o vocabulário geral é bastante empobrecido para esse tipo de descrição, limitando-se a impressões gerais, como bom ou ruim, gostoso, salgado, doce etc. É exatamente por isso que você vai oferecer a elas um conjunto de palavras, o maior que você conseguir, que possam ser usadas nessa descrição (suculento, agridoce, arenoso, aveludado, suave, forte, perfumado, duro, firme, macio, crocante, gorduroso, ácido, insosso, doce, salgado, adstringente, azedo, viscoso, seco, molhado, mole, cremoso, liso, peludo, ondulado, espinhento etc). Essa lista permitirá que as crianças escolham aquelas que melhor descrevem o alimento oferecido. Você também pode ajudá-los a conhecer melhor cada uma dessas palavras oferecendo analogias e comparações que esclareçam o significado de cada uma (a pera é suculenta como a melancia, por exemplo).

A cada alimento experimentado e qualificado, com as palavras que vocês lhes ensinou, as crianças devem confeccionar uma página de seu minidicionário de sabores, texturas, cheiros, aparências e percepções auditivas. O dicionário pode ser organizado a partir das palavras aprendidas (assim, na página do termo suculento, haveria um verbete com o significado da palavra, uma descrição da sensação produzida na boca por alimentos que correspondam a essa característica e nomes de alimentos suculentos) ou, se você preferir, pode ser organizado a partir dos alimentos apreciados e as palavras que melhor descrevem seus atributos. Vocês também podem ilustrar o dicionário. Sugerimos que você trabalhe, inicialmente, com páginas avulsas, para que posteriormente, quando vocês já tiverem feito todas as páginas, elas possam ser organizadas em ordem alfabética, como convém.

Finalmente, com o dicionário pronto, seus alunos devem, agora, ocupar o lugar de quem ensina! Com sua ajuda, eles devem organizar pequenas sessões de apreciação de alimentos para outras turmas (ou famílias) e levar com eles, além dos alimentos, o dicionário, para que seus colegas possam consultá-lo e até oferecer suas contribuições para ampliações e revisões, sempre muito bem vindas!

Por que realizar este desafio?

Como dissemos anteriormente, a educação alimentar e nutricional e a prática de atividades físicas não estão restritas a um campo do conhecimento de forma específica, mas fazem uso de conceitos e noções produzidos pelas mais diversas áreas do conhecimento, da linguística à medicina, passando pela história, matemática, geografia etc.

Mostrar a seus alunos e alunas que o fato de termos mais conhecimento sobre um determinado assunto nos confere mais poder de escolha sobre nossas decisões neste campo é um dos aspectos formadores da autonomia, um importante valor para qualquer educação alimentar e nutricional, para qualquer prática ligada à saúde, e para a educação.

O que conta ponto?

Este desafio vale, no máximo, 200 pontos que serão distribuídos da seguinte maneira:

  • 50 pela realização do desafio;
  • 50 pela qualidade do registro que você fizer;
  • 100 pontos pela originalidade e consistência da proposta.

O que será considerado no registro?

  1. Qualidade da informação (explicações detalhadas e suficientes sobre cada etapa do processo)
  2. Qualidade da documentação (fotos, produções das crianças, depoimentos das crianças ou membros da família etc)
  3. Sua avaliação (você deve relatar problemas que você tenha encontrado e também aquilo que você considerou bem sucedido, apresentando as razões para os dois casos)
  4. Extrapolação (atividades que você tenha realizado a partir do desafio)

Você já pensou sobre isso?

  1. Nenhum objeto do mundo é, em si, um objeto de conhecimento. Somos nós, humanos, e nossa incrível curiosidade, que fazemos isso com as coisas, estudando-as e observando-as sob diferentes aspectos. Assim, um alimento ou prática alimentar pode ser, por definição, objeto de estudo da biologia, da química, da física, da geografia, da história ou de qualquer outro campo do conhecimento humano.
  2. Estudar alguma coisa sob a ótica de diferentes disciplinas oferece aos alunos e alunas uma ampliação interessante, que permite diferentes aproximações a este conteúdo de estudo, favorecendo as múltiplas formas de aprender.
  3. Quando ensinamos alguma coisa, em qualquer disciplina, desejamos que os alunos aprendam conceitos, ou procedimentos. Os fatos, informações e assuntos tratados são, em geral, apenas veículos para que estas aprendizagens aconteçam.