Nutrir nas Escolas Alimentação, cultura, história e muitas conexões

Se para os seres humanos pré-históricos a comida era apenas uma questão de sobrevivência, hoje é muito mais do que isso. É claro que precisamos comer para sobreviver, mas a alimentação também é parte muito importante da história e da cultura dos povos e carrega diversos significados. Os alimentos que a gente escolhe em nossas refeições são bastante influenciados pelos costumes e pela história do lugar em que a gente vive.

Enquanto a carne bovina é presente em nossa alimentação, por exemplo, em um país como a Índia ela é muito pouco consumida. A maioria da população indiana segue o hinduísmo, uma religião que considera a vaca um animal sagrado, e por isso não come esse alimento. E você toparia experimentar formigas? Para algumas tribos indígenas brasileiras, não há nada de estranho em se alimentar desse inseto. Até o jeito de fazer uma refeição varia de um lugar para outro: há quem coma sentado em cadeiras ou em almofadas no chão, mantendo silêncio, descalço, utilizando talheres ou as mãos, quem faça uma oração antes ou depois de comer...

Quer maior exemplo da relação entre alimentação e cultura do que o nosso próprio país? Toda a diversidade da culinária brasileira carrega um pouquinho de nossas tradições e história. Não é à toa que as três maiores influências da nossa cozinha são de origem indígena, portuguesa e africana, povos tão relevantes na história do país. Dos índios, herdamos o uso da mandioca nos mais diferentes alimentos, o modo de preparar a moqueca, os refrescos com guaraná, o pirão, o beiju, o chimarrão e muitos outros hábitos e receitas. Os portugueses trouxeram uma diversidade de comidas e alimentos para cultivo da Europa e de outras colônias de Portugal, como pães, cereais, carne de gado, couve, alface, cebola, alho, entre outros. Já a influência africana está no uso de ingredientes como coco, azeite de dendê, quiabo e pimenta-malagueta e em inúmeras receitas: acarajé, vatapá, mungunzá, quibebe e muito mais.

Hoje, a culinária brasileira é uma grande mistura dessas e de outras tradições estabelecidas em cada região ou trazidas por imigrantes, cheia de variações e adaptações locais. Os eventos que formam a história do nosso país têm reflexo em nossa alimentação, e isso acontece até hoje. Você já pensou em quantos novos alimentos surgem de tempos em tempos por aqui e caem no gosto das pessoas? Conhecer a alimentação no Brasil e em outros cantos do mundo é fazer uma grande viagem por sabores, histórias, culturas e identidades.

Veja mais em Boas Práticas

O desafio Histórias saborosas é uma boa oportunidade para falar com os alunos sobre as relações entre alimentação, história e cultura. Em Guarulhos (SP), aproveitando que a turma já estava estudando as culturas indígena, africana e da Oceania, três dos cardápios elaborados pelos alunos da professora Rosana Maria da Costa, da EPG Clementina de Jesus, foram inspirados nesses povos. A professora Maria Luzia de Góis Silva selecionou algumas histórias para discutir com os alunos da EPG Bárbara Andrade Tenório de Lima as diversas culturas que formaram a culinária brasileira.

Em Belo Horizonte (MG), a professora Luciana Silva levou a turma da EM Dom Bosco à biblioteca da escola para procurar livros sobre as culturas africana e indígena. Depois de pesquisar e selecionar os alimentos de cada cultura que pareciam ser mais gostosos, as crianças elaboraram dois cardápios e escolheram um deles para levar para casa. Já a professora Sônia Dias, da EM Professor Mello Cançado, incluiu as lendas indígenas da mandioca, do guaraná e do milho entre as histórias que contou para os alunos.

 Saiba mais:
- Alimentação e Cultura – Ministério da Saúde/Universidade de Brasília
- Identidade cultural e alimentação – Maria Eunice Maciel

 

Notícias relacionadas:
- Cultura alimentar regional no cardápio das escolas
- Conexões entre a origem das palavras e a alimentação
- Valores simbólicos que fazem parte da alimentação

 

Créditos da foto na página inicial: Riba28-maps/Wikimedia Commons (CC BY-SA 3.0)