Nutrir nas Escolas Cinco sentidos, várias sensações ao se alimentar

Cada sentido que nós possuímos tem uma função diferente no organismo. No caso da alimentação, o paladar é o sentido responsável por fazer com que a gente perceba os sabores das comidas, certo? Nem tanto: na verdade, o paladar funciona com a ajuda de todos os sentidos. Olfato, visão, audição e tato podem fazer toda a diferença na maneira com que nós sentimos os sabores.

É claro que o paladar tem um papel especial nisso tudo. A língua, a parte interna das bochechas, o céu da boca, as amígdalas, o palato e a parte superior da garganta estão repletos de pequenos relevos chamados papilas gustativas. As papilas gustativas têm células que detectam os sabores e enviam sinais para o cérebro processar as informações e reconhecer o sabor, se é algo que gostamos, que não gostamos, se nos traz uma boa sensação, se lembra algum momento de nossa infância...

Mas você já tentou saborear uma comida quando está gripado, com o nariz entupido? Fica difícil de sentir o gosto, não é mesmo? Esse é um dos maiores exemplos que mostram como os outros sentidos interferem no paladar. Muitas vezes, nossa percepção de um alimento pode mudar quando ele foi preparado de um modo diferente, com uma nova aparência, com temperos que dão aquele aroma bem gostoso, com uma outra textura ou até quando ele faz um barulhinho crocante ao mastigarmos. Aliás, só de ver ou sentir o cheiro de uma comida que gostamos já começamos a salivar.

Nesta reportagem do programa “Bem Estar”, da Rede Globo, um grupo de pessoas foi convidado a experimentar alimentos saudáveis preparados de maneiras diferentes, sem saber quais eram os alimentos e de olhos vendados. Teve receitas com berinjela, jiló, abobrinha, peixe, entre outros. Foi uma experiência que confundiu os participantes e trouxe boas surpresas quando descobriram que gostaram do sabor de um alimento que antes não gostavam. No link da matéria você também confere sugestões de receitas saudáveis que dão um novo aspecto para os alimentos: chips de quiabo e de abóbora (sem precisar de óleo), águas aromatizadas e sorvete de banana (sem açúcar ou leite).

Veja mais em Boas Práticas

O desafio do Nutrir Falando nisso, destinado a professores e professoras do Ensino Fundamental de 6 a 8 anos, explora bastante o uso dos sentidos na alimentação, já que as crianças precisam perceber todas as características dos alimentos para criar um minidicionário. Na seção Boas Práticas da plataforma, você encontra relatos de professoras que realizaram esse desafio de uma maneira muito bacana.

Uma delas é Luciellen Eufrásio de Carvalho Ferreira, que conduziu o desafio com alunos do 1º ano da EPG Manoel Rezende da Silva, de Guarulhos (SP). As crianças usaram todos os sentidos para experimentar e descrever alimentos como frutas, verduras e legumes, bolinho de arroz e espinafre, iogurte caseiro, bolo natural de milho entre outras opções, além de comparar as características de alimentos in natura e industrializados.

No 1º ano da EM Renê Américo Giannetti, de Belo Horizonte (MG), a turma toda quis provar os alimentos oferecidos, como gengibre, rúcula e mel. A professora Kamilla Veronezi Martins disse que a experiência de perceber e expressar as sensações causadas pelos alimentos ampliou o vocabulário dos pequenos, que agora sabem dizer as características específicas que fazem com que eles gostem ou não de uma comida.

 

Notícias relacionadas:
- CAE: todos unidos pela alimentação escolar
- Quantos alimentos você consegue identificar na feira?
- Cultura alimentar regional no cardápio das escolas