Nutrir nas Escolas Conexões entre a origem das palavras e a alimentação

Nossa relação com a alimentação muda constantemente ao longo do tempo. Para algumas pessoas, por exemplo, a refeição é um momento para reunir a família ou os amigos para comer e conversar. Para outras, o ato de comer durante uma refeição fica quase em segundo plano, já que é realizado em frente à TV ou ao computador. E se buscarmos a origem da palavra “refeição”, descobrimos mais um significado para esse momento.

“Refeição” é derivada da palavra em latim refectio – o prefixo re significa “de novo” e fectio equivale a “fazer”. Ou seja, na época em que essa palavra surgiu, fazer uma refeição era um momento para se refazer, como se a pessoa pudesse se recompor de suas atividades diárias e recuperar as energias. A palavra “restaurante” também carrega esse sentido. Ela veio do termo em francês restaurant, que é usado tanto para descrever algo que repara as forças quanto para os locais em que as pessoas vão para restabelecer as forças por meio da alimentação.

Pesquisar a origem das palavras nos ajuda a compreender o sentido delas no período em que foram criadas e também a reinserir alguns desses sentidos em nosso dia a dia. Esses não são os únicos exemplos ligados à alimentação que deram origem a palavras. Aliás, o próprio termo “alimentação” está relacionado com uma pessoa essencial no dia a dia escolar: o aluno. A palavra em latim alumnus é derivada do verbo alere, que é justamente alimentar, nutrir, fazer crescer, entre outros. Podemos dizer que o aluno é aquele que está sendo alimentado com o conhecimento.

A expressão “companheiro” também tem um sentido bem bonito em sua origem. Ela vem do termo em latim compania, composto a partir de cum (com) e panis (pão). Compania era utilizada para descrever a pessoa ou o grupo de pessoas com quem você reparte o seu pão. Por isso, “companheiro” é usado até os dias atuais quando queremos falar de alguém em quem confiamos o suficiente para dividir muitas coisas, inclusive o nosso tão precioso alimento. Se pensarmos bem, todos esses significados são válidos até hoje, não é mesmo?