Nutrir nas Escolas Cozinheiro mobiliza escola e vai à sala de aula

O cozinheiro Fabio Cesar Augusto é o único participante do Nutrir nas Escolas na EPG Marfilha Belloti Gonçalves, de Guarulhos (SP). Mesmo assim, ele conseguiu mobilizar professores, direção, coordenadora, nutricionista, equipe da cozinha e pais para realizar os desafios propostos. Além disso, as atividades aproximaram ainda mais os alunos da equipe da cozinha.

Primeiro, Fabio elaborou um questionário para saber o que as crianças gostariam que fosse servido nas refeições da escola, no desafio O que poderia ter na refeição?. A maioria mencionou alimentos como chocolate, frituras e refrigerante. O questionário ainda incluía perguntas sobre os hábitos alimentares e de prática de atividades físicas dos alunos. “Fiquei preocupado, porque poucas crianças disseram que já participaram de palestras e oficinas sobre alimentação saudável. A maioria não tinha muita noção do assunto”, conta. As respostas também indicaram que, em geral, eles não costumam praticar atividades físicas fora da escola.

O cozinheiro decidiu reunir a diretora, a vice-diretora, a coordenadora e duas professoras para explicar sobre o Nutrir e propor um trabalho em conjunto. As professoras organizaram atividades e ele mesmo foi às salas para conversar com os alunos sobre a importância de uma alimentação saudável e de praticar atividades físicas. Em uma nova pesquisa realizada depois dessa iniciativa, as respostas foram diferentes: frutas, verduras, iogurte, carne com legumes e arroz com frango estavam entre os novos alimentos citados. Outra comida bastante mencionada nas respostas foi pão de queijo. Como é um alimento assado, Fabio sugeriu à nutricionista que esse item fosse incluído no café da manhã.

Para o desafio Experimenta para você ver!, ele criou uma receita com legumes, que não eram bem aceitos pelos estudantes. O refogado de carne com legumes crocantes da horta é composto por carne moída refogada com pimentões, cebola, salsa e cebolinha e uma variedade de legumes cozidos até que fiquem em um ponto entre duro e macio. Fabio explica que o objetivo é que os legumes não fiquem tão cozidos para mantê-los crocantes e preservar os nutrientes. A receita é acompanhada por arroz e salada de folhas verdes.

Antes de servi-la pela primeira vez, o cozinheiro elaborou um cardápio impresso para apresentar o novo prato, incluindo o modo de preparo, e levou até as salas para mostrar aos alunos. “Quando você vai ao restaurante, o cardápio é a primeira coisa a ser apresentada. Você vê as opções e desperta sua curiosidade e imaginação. Foi o que eu quis despertar nas crianças, só que uma curiosidade por algo saudável”, diz. A ideia deu certo e a receita foi muito bem recebida pelos estudantes. Os professores acompanharam a degustação e aproveitaram para relacionar os ingredientes com a pirâmide alimentar.

Fabio ainda organizou um dia para que os pais dos alunos visitassem a cozinha da escola. “Queria quebrar aquele preconceito de que comida de escola é só enlatados e semiprontos. Aqui é tudo in natura, descascamos os legumes, cozinhamos o feijão...”, explica. A equipe da cozinha mostrou as instalações da cozinha e o cardápio, falou sobre sua rotina de trabalho e a parceria com a nutricionista e serviram risoto de frango com legumes e pêssego de sobremesa para os pais, que gostaram muito do prato e da visita.

Ao longo das atividades, o cozinheiro conversou e ouviu bastante as crianças. Essa aproximação foi tão positiva, que os alunos de uma das turmas fizeram uma surpresa para a equipe da cozinha: eles mesmos sugeriram à professora que escrevessem cartinhas à equipe falando o quanto gostam da comida da escola e agradecendo pelo trabalho deles.