Nutrir nas Escolas O papel das cozinheiras na formação das crianças

As cozinheiras não são apenas responsáveis por fazer as comidas gostosas servidas nas escolas – o papel delas vai muito além! Segundo a chef de cozinha Glaucia Simon, uma das formadoras do Nutrir nas Escolas, o trabalho das cozinheiras influencia em dois aspectos bem importantes na formação das crianças: fazer com que elas gostem de uma variedade de alimentos e que não tenham medo de experimentar coisas novas.

“O paladar infantil amadurece ao conhecer novos alimentos. Por isso, a comida tem que ser interessante. A cozinheira é uma das responsáveis por fazer com que a criança goste ou não do alimento pelo resto da vida. É um papel fundamental”, diz Glaucia. Para tornar a comida mais atrativa para os alunos, as cozinheiras podem fazer pratos bonitos e inovar no modo de preparo.

Normalmente, as escolas públicas têm um cardápio já determinado pelas nutricionistas da Secretaria de Educação. Mas é sempre possível acrescentar novos ingredientes e possibilidades de preparo. “A cozinha é um sem fim de opções. Nas formações ensinamos técnicas que podem ser aproveitadas em todas as formas de cozinhar, instigando as cozinheiras a pensar de outras maneiras”, conta a chef. Também é preciso aproveitar os alimentos por completo, com todos os nutrientes que eles podem oferecer.

E você sabia que até os sentimentos interferem no modo de cozinhar? “No dia em que as cozinheiras não estão bem, a cozinha não fica bem. A cozinha está intimamente ligada ao que você deposita na hora de fazer e servir o alimento: o afeto, o amor, o gosto por cozinhar... As crianças também são influenciadas pelo estado de espírito e pela vontade de fazer das cozinheiras”, explica Glaucia.

As cozinheiras não devem estar sozinhas nesse processo. É muito importante que a escola como um todo se envolva nas questões relacionadas à cozinha. “Há uma separação grande entre as cozinheiras e os professores, e precisa haver esse encontro. Dá para aproximar os alunos das cozinheiras, levá-las à sala de aula, envolvê-las nas discussões e ver como elas podem contribuir, destacando-as como profissionais importantes”, recomenda.

O apoio e o diálogo da direção da escola com as cozinheiras também são essenciais para compreender e resolver seus problemas. “Dependendo da situação e da condição da cozinheira, de como ela enxerga o trabalho dela e como a escola a enxerga, pode haver resultados diferentes na cozinha”, afirma. Acima de tudo, é preciso que as próprias cozinheiras também reconheçam e valorizem seu papel nas escolas.