Nutrir nas Escolas Uma escola com mais frutas e menos biscoitos

Em 2017, as refeições na EPG Darcy Ribeiro, de Guarulhos-SP, passaram por uma grande mudança: a escola começou a receber mais variedade e quantidade de frutas, verduras e legumes. O café da tarde, por exemplo, passou a ter mais frutas e menos biscoitos. No começo, a professora Luciana Bernardes achou essa mudança um exagero – por que ter tantas frutas no café da tarde, ela se perguntava. Mas depois de realizar as formações e os desafios do Nutrir nas Escolas, Luciana afirma que não só concluiu que essa mudança era muito positiva, mas que também passou a compreender de maneira diferente a importância e responsabilidade da escola na educação alimentar e nutricional das crianças.

Foi então que ela decidiu criar uma série de atividades sobre alimentação envolvendo outras áreas do conhecimento, como matemática e língua portuguesa. As frutas estiveram presentes nas atividades de alfabetização, nos problemas de matemática, na construção de gráficos e tabelas, no preparo de sucos... Até o Piquenique Literário, uma atividade de leitura que a professora organiza em agosto sobre as lendas do folclore brasileiro, teve uma roda de conversa sobre o livro “A menina que não gostava de fruta”, de Cidália Fernandes.

Segundo Luciana, criar estratégias para que as crianças experimentassem cada vez mais frutas foi necessário porque elas também estavam estranhando a mudança no cardápio escolar. O resultado foi bonito de se ver! As crianças começaram não só a experimentar outros tipos de frutas no café da tarde, mas também a desperdiçar menos, trazer mais frutas para a escola e pedir para os pais fazerem os sucos naturais que aprenderam com as atividades. Até a professora ganhou frutas de presente de alguns alunos, algo que ela não via acontecer há muito tempo!

Por conta destes resultados, a professora pretende fazer novamente neste ano muitas das atividades que realizou em 2017. “Vejo que, quando a gente começa a falar de alimentação de uma forma lúdica, brincando, fazendo com que eles vejam como é gostoso, eles acabam aprendendo e consumindo novos alimentos”, afirma.

 

Notícias relacionadas:
- Um desafio para aproximar alunos e cozinheiras
- Um desafio autoral com todos os ingredientes do Nutrir
- Coordenadora amplia projeto criado em desafio do Nutrir